Resenha - Como Dizer Adeus em Robô, Natalie Standiford

 photo bannerblog1_zps70e9f9b1.jpg
Como Dizer Adeus em Robô por Natalie Standiford
Como Dizer Adeus em RobôCom um toque melancólico, o livro conta a singular ligação entre Bea 
e Jonah. Eles ajudam um ao outro. E magoam um ao outro. Se rejeitam e se aproximam. Não é romance, exatamente mas é definitivamente amor. E significa mais para eles do que qualquer um dos dois consegue compreender... Uma amizade que vem de conversas comprometidas com a verdade, segredos partilhados, jogadas ousadas e telefonemas furtivos para o mesmo programa noturno de rádio, fértil em teorias de conspiração. Para todos que algum dia entraram no maravilhoso, traiçoeiro, ardente e significativo mundo de uma amizade verdadeira, do amor visceral, Como dizer adeus em robô vai ressoar profunda e duradouramente.
Bea é uma 'garota robô' pelo menos, é assim que a mãe dela a chama. Bea tem uma certa dificuldade em mostrar seus sentimentos, muitas vezes agindo como se, de fato, fosse um robô. Um ser frio que aparentemente não consegue esboçar nenhum tipo de sentimento.




Ao se mudar de cidade, de novo, Bea começa a frequentar uma nova escola. Nova escola, novos colegas...mas, Bea não é uma pessoa que faz amizade facilmente e acaba por encontrar certa dificuldade em lidar com as novas amigas, afinal, elas são bem diferentes...

Porém, Bea acaba encontrando alguém com quem ela simpatiza. E esse alguém é Jonah, o cara mais "esquisito" do colégio. Jonah é como um "fantasma", aliás, esse é mesmo o apelido que o rapaz ganhou no colégio há alguns anos atrás...




Aos poucos, uma amizade um tanto quanto estranha e singela vai nascendo entre eles. O relacionamento entre os dois não chega a ser romântico, porém há sim amor entre eles, esse tipo de amor confuso e turbulento que, as vezes, assola os corações adolescentes.

"Como Dizer Adeus em Robô" é aquele tipo de livro difícil de descrever, é um história simples, bonita, inocente...Dessas que mexe como nosso coração, embora a gente não saiba exatamente o 'por quê'.



Bea é uma "garota de lata" que 'de lata' na verdade, não tem nada, ela é repleta de sentimentos bem humanos e viscerais, o que me fez gostar tanto do livro foi essa semelhança que encontrei entre mim e Bea, essa característica dela de não falar sobre o que sente, guardar para si seus sentimentos...eu também sou assim, tenho certa dificuldade de falar sobre o que sinto...

Enfim, o livro é muito bom, leitura super recomendada.



“Eu sentia como se fosse possível abrir uma porta no meu peito oco de metal – só abri-la,facilmente – e ver meu coração latejando, cru e sangrando e dolorido. Você até podia esticar a mão e apertá-lo se quisesse. Eu não queria ninguém chegando perto o bastante para abrir aquela porta e ver aquela bagunça.” Página 308

Título Original: How To Say Goodbye in Robot
Autora: Natalie Standiford
Páginas: 344
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501091024
Ano: 2013 


 photo bannertaly_zpse3d2f774.jpg

"Vício" por Gustavo Lacombe



O texto de não é meu, é do Gustavo do blog Gustavo Lacombe, já falei dele nesse post, lembram?? Espero que gostem do texto!!!


Você deve ter feito de propósito! Não é possível!
Deitei a cabeça no travesseiro e a única coisa que conseguia lembrar era o quente da tua boca na minha e como as línguas se falavam e se entendiam. Gostoso demais pra me deixar dormir sem ficar pensando longos minutos e cogitando sair correndo de madrugada só pra provar de novo o que por muito tempo eu não encontrei: química.
O lado da cama que eu deitava parecia me fazer, inclusive, lembrar das tuas mãos em mim. Era como se ainda tivesse seus dedos marcando a minha roupa, meu braço, minha perna, minha nuca. E eu, no escuro, mordendo o lábio e rindo solitário pro teto, que certamente achava mais graça ainda na minha loucura de ficar projetando nós dois nele, como se visse um filme.
E a cabeça parecia estar em looping.
Um segundo antes de adormecer, pude sentir o vento trazer seu cheiro. Como se me fizesse cafuné, alisando meus cabelos como você faz, peguei no sono com a certeza de que não estava ali sozinho. Se não ao meu lado na cama, noutra parte da cidade o nosso pensamento se conectava.
E ainda se beijava.
Dormi sem sonhar. Aliás, sonhar pra quê? Já tinha passado a noite inteira de olhos fechados no meio do seu beijo e do seu abraço, abrindo-os apenas para me certificar de que, realmente, não estava sonhando acordado. Você fez de propósito, eu sei. Sem conseguir pensar em mais nada, fiquei comigo pensando “como eu quero de novo”. Seu beijo, meu vício gostoso.
 photo bannertaly_zpse3d2f774.jpg

Promoção - Maurício Gomyde e sua "Máquina de Contar Histórias"

Não sei se vocês sabem, mas um dos meus autores brasileiros favoritos é o Maurício Gomyde. O Maurício escreve textos lindos e cheios de sentimentos, dos dois livros que já li dele, me apaixonei pelos dois. Recentemente o Maurício lançou seu mais novo livro "A Máquina de Contar Histórias" pelo selo Novas Páginas, da editora Novo Conceito.


A Máquina de Contar HistóriasNa noite em que o escritor best-seller Vinícius Becker lançou A Máquina de Contar Histórias , o novo romance e livro mais aguardado do ano, sua esposa Viviana faleceu sozinha num quarto de hospital. Odiado em casa por tantas ausências para cuidar da carreira literária, ele vê o chão se abrir sob seus pés. Sem o grande amor da sua vida, sem o carinho das fi lhas, sem amigos... O lugar pelo qual ele tanto lutou revela-se aquele em que nunca desejou estar. Vinícius teve o mundo nas mãos, e agora, sozinho, precisa se reinventar para reconquistar o amor das filhas e seu espaço no coração da família V. Uma história emocionante, cheia de significados entrelaçados pela literatura, mostrando que o amor de um pai, por mais dura que seja a situação, nunca morre nem se perde.




Mas, sabe o melhor disso tudo? O blog, em parceria com o Maurício está sorteando um combo maravilhoso para vocês, olhem só:

1 Kindle + 1 Box Completo com 4 livros (O Mundo de Vidro, Ainda não te disse nada, O Rosto que precede o sonho e Dias Melhores pra Sempre) + 1 "A Máquina de Contar Histórias", todos autografados.

Para participar é só seguir as regras abaixo:


  1) Preencher o formulário abaixo.


  

2) O participante deve, obrigatoriamente, deixar um comentário nessa postagem "Eu quero conhecer A Máquina de Contar Histórias". (O sorteado terá obrigatoriamente que ter deixado o comentário, senão não leva os prêmios!)

3) Por fim, o participante deve, obrigatoriamente, seguir ou o twitter (@mauriciogomyde) ou o Instagram (@mauriciogomyde).


ATENÇÃO:


  • O sorteio será feito pelo Random.Org no dia 20/07 pelo próprio autor, o envio dos prêmios também será por conta dele;
  • Vocês podem participar da promoção em mais de um blog, desde que preencham o formulário em cada um deles; A lista de blogs participantes vocês conferem nesse link;
  • Se o sorteado não tiver comentado na postagem pela qual ganhou a promoção e/ou não tiver seguido o autor em ao menos uma das redes sociais, o sorteio será refeito.

Enfim, boa sorte ;)


 photo bannertaly_zpse3d2f774.jpg

Resenha - Veneno, Sarah Pinborough

 photo bannerblog1_zps70e9f9b1.jpg
Veneno por Sarah Pinborough

VenenoSexy, sarcástico e de prender a respiração! Para os fãs de Once Upon a Time e Grimm, Veneno é a prova de que contos de fadas são para adultos! Não existe “Felizes para sempre”! Você já pensou que uma rainha má tem seus motivos para agir como tal? E que princesas podem ser extremamente mimadas? E que príncipes não são encantados e reinos distantes também têm problemas reais? Então este livro é para você! Em Veneno, a autora Sarah Pinborough reconta a história de Branca de Neve de maneira sarcástica, madura e sem rodeios. Todos os personagens que nos cativaram por anos estão lá, mas seriam eles tão tolos quanto aparentam? Acompanhe a história de Branca de Neve e seu embate com a Rainha, sua madrasta. Você vai entender por que nem todos são só bons ou maus e que talvez o que seria “um final feliz” pode se tornar o pior dos pesadelos! 




O que você sabe sobre vilões? Seja o que for que você pense conhecer sobre eles, esqueça, está na hora de repensá-los. Afinal, você já pensou o que leva uma pessoa a se tornar um vilão?



Lilith é uma rainha, bela, jovem e inteligente, sua beleza é tanta que ela seria facilmente a mais bela do reino, se não fosse por sua enteada, Branca de Neve. Branca não só é linda, como é uma verdadeiro espírito livre e selvagem, bondosa como sua falecida mãe e sagaz ela encanta a todos ao seu redor, e é esse seu jeito de ser que tanto incomoda a madrasta Lilith que aca que a moça deveria se comportar melhor, como uma verdadeira princesa.


"Veneno" é uma releitura do clássico conto de fadas "Branca de Neve" e embarcando nessa onda de releituras, o livro trás personagens já conhecidos do conto, porém com certas peculiaridades. Branca de Neve, por exemplo não é a mocinha toda inocente que conhecemos do clássico da Disney, a autora até tenta inserir um certo ar de inocência na personagem, porém, isso se perde logo no início a personalidade de Branca e suas atitudes acabam-na por transformá-la numa personagem nada inocente.


Oque me chamou a atenção, além da diagramação maravilhosa que o livro tem, foram na verdade algumas ligações que a autora fez dos personagens do conto de Branca de Neve com outros contos, isso até certo ponto é interessante, além dessas peculiaridades na personalidade dos personagens que acaba por surpreender o leitor.

Vi muitas resenhas negativas do livro e até entendo os 'problemas' que os leitores descreveram, porém, eu não costumo ser muito exigente com os livros que leio, nunca classifico um livro como "ruim" então, acabei por classificar o livro como 3,5/4 estrelas, por aí...




“Aquele era um mundo de homens, mas ela tinha aprendido a jogar o jogo. O que mais podia fazer uma dama com beleza e inteligência?” Página 44

Título Original: Poison

Autora: Sarah Pinborough
Páginas: 224
Editora: Única
ISBN: 9788567028002
Ano: 2013 



 photo bannertaly_zpse3d2f774.jpg

"Lá vamos nós" por Leca Lichacovski



Esse texto não é meu, é da Leca, que escreve no blog Entre Todas as Coisas e é incrivelmente lindo.


Tá vendo a minha mão aqui, aberta? É um convite para você segurá-la e me levar junto com você. Para onde e para o que for. Já treinei minhas emoções e elas estão mais fortes agora. Se eu precisar, serei sua rocha. Se você quiser, serei seu abrigo e seu conforto. E nem precisa pedir. Me transformo no que for porque já conheço os seus olhos.
Respira fundo agora. Sente o coração desacelerar conforme sua inspiração e repara que a dose de adrenalina começa a amansar nas veias. O frio tá na minha barriga também, mas é só mais um salto pra gente chegar do outro lado e deixar isso tudo pra trás. A gente consegue, eu sei.
Falta pouco, amor. Pouquinho. E eu sei que é sempre no final que vem a pior parte. Aprendi isso nos videogames muito antes de passar por essas fases na vida real. Mas, sabe o que eu aprendi? Quando a gente ganha, dizemos: Não foi tão difícil quanto eu imaginei.
Segura firme a minha mão, amor, e não solta. Por mim e por você. Lá vamos nós. Pode ficar com medo, eu também fico… mas vamos em frente mesmo assim. Combinado? Eu vou se você for. Não tenho super poderes. Mas, somando os meus aos seus, fica melhor do que muita gente tem por aí. E a gente se engrandece perante os demônios espalhados nesse mundo querendo botar a gente pra correr.
Vamos virar esse jogo. Olhar pra trás e brindar com aquele seu Malbec favorito. Fazer “Tim tim” e beber ao ver as sombras de ontem dando espaço a uma nova luz, que pareceu levar uma eternidade para chegar.
 photo bannertaly_zpse3d2f774.jpg

 
Design geral de: Rachel Lima | C�digos de Giovana Joris
|